Expectativa de vida na Bahia aumenta para 73,9 anos, aponta IBGE

Estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que a expectativa de vida dos baianos aumentou de 2017 para 2018. Uma pessoa nascida na Bahia em 2018 tinha expectativa de viver, média, até 73,9 anos de idade (73 anos, 10 meses e 24 dias).

Foto : Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Isso significava dois meses e 12 dias a mais que aquelas nascidas em 2017, quando a esperança de vida ao nascer, no estado, era de 73,7 anos (73 anos, 8 meses e 12 dias). Segundo IBGE, o aumento na expectativa de vida das pessoas nascidas na Bahia entre 2017 e 2018 foi o mesmo estimado na passagem de 2016 para 2017.

Para os homens baianos, a expectativa de vida ao nascer passou de 69,3 anos em 2017 (69 anos, 3 meses e 18 dias) para 69,5 anos em 2018 (69 anos e 6 meses), com um ganho de pouco mais de dois meses nesse período (2 meses e 12 dias). Já as mulheres baianas nascidas em 2018 tinham a expectativa de viver em média 78,7 anos (78 anos, 8 meses e e 12 dias) três meses e 18 dias a mais do que as nascidas em 2017, quando a expectativa de vida era de 78,4 anos.

Assim, uma menina nascida em 2018 na Bahia tinha a expectativa de viver pouco mais de 9 anos a mais que um menino nascido no mesmo ano (mais 9 anos, 2 meses e 12 dias). E a esperança de vida ao nascer feminina cresceu um pouco mais que a masculina no estado, em relação a 2017.

Apesar dos avanços, a esperança de vida ao nascer na Bahia em 2018 (73,9 anos) continuava menor que a média nacional (76,3 anos) e por pouco não estava entre as dez mais baixas do país, mantendo-se com o 11º menor indicador nesse ranking, muito pouco acima de Tocantins que, no indicador arredondado, também tem esperança de vida ao nascer de 73,9 anos.

Dentre os estados do Nordeste, a esperança de vida ao nascer na Bahia era menor que no Ceará (74,3 anos), em Pernambuco (74,6 anos) e no Rio Grande do Norte (76,2 anos), que, tinha a maior esperança média de vida ao nascer da região, quase igual à média nacional (76,3 anos).

Em 2018, a maior esperança média de vida ao nascer do país continuava a ser a de Santa Catarina, tanto para o total da população (79,7 anos) quanto para mulheres (83,0 anos) e homens (76,4 anos) separadamente.

O Espírito Santo vinha em segundo lugar para ambos os sexos (78,8 anos) e para as mulheres (82,8 anos), enquanto São Paulo ficava com a segunda maior esperança média de vida ao nascer para os homens (75,6 anos) e a terceira maior considerando os dois sexos em conjunto (78,6 anos).

CRUSH