Homofobia: suspeitos de envolvimento na tentativa de homicídio de Marcelo Macedo se apresentam

Vítima de homofobia, Marcelo Macedo foi agredido e baleado em um bar em Camaçari

 

Os três suspeitos de envolvimento na tentativa de homicídio contra Marcelo Macedo, em Camaçari, no último domingo (20) foram identificados, conforme informou a delegada que Thais Siqueira, que investiga o caso.

Os nomes dos suspeitos não foram divulgados para não atrapalhar as investigações. A delegada adiantou que dois dos suspeitos se apresentaram espontaneamente na delegacia nesta quarta-feira (23). Eles foram ouvidos, mas não há detalhes se foram liberados.

Entre os ouvidos nesta quarta, está o suspeito de ter efetuado os disparos. Informações iniciais da delegada apontam que ele é policial, mas também não há detalhes se ele integra a a Polícia Militar ou Civil.

De acordo com a delegada Thais Siqueira, o crime está elucidado. Ela informou que o terceiro envolvido na tentativa de homicídio, que teria ficado indignado com a troca de carícia entre Marcelo e seu companheiro, disse que vai se apresentar ainda esta semana. A polícia já tinha informado que esse homem tinha sido identificado.

A delegada aguarda o depoimento dele para informar qual a versão do trio para o crime de tentativa de homicídio e concluir o inquérito que apura o crime de homofobia.

Caso

O crime ocorreu na noite do último domingo (20). Segundo a delegada, Marcelo Macedo contou que antes do ataque começar foi questionada “se não tinha vergonha de fazer isso na frente de pais de família”.

“Ele conta que estava com um ‘ficante’ no bar, trocando carícias normais de casais, e chegou a ter um beijo, um selinho. Foi quando uma pessoa se aproximou e perguntou. Ele levantou para se explicar e começou a ser agredido por várias pessoas”, relata a delegada.

Marcelo foi baleado quatro vezes. Segundo a delegada, um dos tiros atingiu um dos braços da vítima e outros três o abdômen.Após o ataque, os suspeitos fugiram do local do crime, e Marcelo foi levado para o Hospital Geral de Camaçari (HGC), onde segue internado nesta terça-feira (22). Segundo familiares, eles passa bem.

Até esta quarta, Marcelo já tinha sido ouvido. Apesar disso, outras testemunhas devem ser escutadas nos próximos dias.

“Marcelo já foi ouvido ontem [terça-feira] mesmo hospitalizado. Ele continua internado, mas fora de perigo. O rapaz que estava com ele, que também foi vítima, a gente ainda não pode ouvir. Ele está com medo. Mas, nos próximo dias, com certeza a gente vai ouvir ele e finalizar as investigações”, disse a delegada.

 

CRUSH