Guedes diz que vai suspender concursos porque há servidores demais

Ministro da Economia Paulo Guedes. Foto: Divulgação

 

O ministro da Economia Paulo Guedes afirmou nesta terça-feira (4) que o governo não fará concursos públicos nos próximos anos por conta do inchaço da máquina pública – segundo ele, há servidores demais. A fala foi durante audiência sobre a reforma da Previdência na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados.

Segundo Guedes, os governos anteriores contratavam demais, e com salários reajustados “ferozmente”, e isso deixou o Estado inchado. O ministro não disse por quanto tempo os processos seletivos federais devem ficar suspensos.

“Nas nossas contas, 40% dos funcionários públicos devem se aposentar nos próximos cinco anos. Não precisa demitir. Basta desacelerar as entradas”, defendeu.

Guedes já tinha criticado o funcionalismo público. No ano passado, em outra audiência na Câmara, ele atribuiu parte da culpa pelos “desvios e roubalheiras” do país aos servidores. Para ele, a categoria não cumpriu bem seu papel de “tomar conta das coisas públicas”. “O funcionalismo público não é culpado, mas também não é inocente. A função deles é tomar conta das coisas públicas. Como teve desvio, roubalheira? Cadê a turma que tinha que tomar conta disso?”, questionou.

O ministro disse também que o governo vai investir na digitalização de processos para reduzir a burocracia, melhorando os serviços públicos. Afirmou ainda que o processo de abertura de empresas no país foi simplificado e que a mesma metodologia será usada em outros serviços.

Sem concursos

Em abril, o governo envidou ao Congresso um projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2020 que já não tinha previsão para concurso público. Guedes já tinha afirmado que o governo iria diminuir o número de servidores. “Acabou o empreguismo, não tem mais isso”.

O projeto ainda deve ser votado pelo Congresso até 17 de julho, ou os parlamentares entram em recesso. O legislativo poderá modificar a LDO.

 

Fonte: Estadão