Neymar apaga vídeo que expôs conversas com mulher que o acusa de estupro

A Polícia de Teresópolis abriu investigação pelo jogador ter divulgado fotos íntimas
O jogador Neymar Jr apagou o vídeo no qual mostrava suas conversas com uma mulher que o acusa de estupro. O vídeo havia sido postado em sua conta no Instagram, no último sábado (1º), no IGTV.

No vídeo de sete minutos, o atacante disse que foi vítima de “uma armadilha” e que a mulher que o acusou quer “extorquir” dinheiro dele. Depois de repetir, durante quatro minutos, que estava chateado com a situação, ele mostrou prints das conversas com a mulher.

“Sei que qualquer notícia que envolve meu nome tem um barulho muito grande e todo mundo fica querendo minha declaração. O que aconteceu foi o contrário do que dizem, estou muito chateado nesse momento, mas a partir de agora vou expor a conversa que tive com a menina, todos os nossos momentos, que são íntimos, mas é necessário expor pra provar que realmente não aconteceu nada demais”, disse.

Ele disse ainda que tudo o que aconteceu entre eles foi consensual. “O que aconteceu foi uma relação entre homem e mulher, dentro de quatro paredes, algo que acontece com todo casal e no dia seguinte não aconteceu nada demais, a gente continuou trocando mensagem, ela me pediu uma lembrança ao filho e eu ia levar. Agora fui pego de surpresa”, continuou.

Policiais civis de Teresópolis estiveram na Granja Comary na manhã desse domingo (2). A ida dos investigadores ao local de concentração da seleção brasileira não teve relação direta com o Boletim de Ocorrência registrado contra o jogador na sexta-feira, mas sim pelo vídeo postado por ele no fim da noite deste sábado.

Os policiais foram recebidos pelo administrador do CT da seleção, e ficaram poucos minutos. Os agentes chegaram por volta de 10h30 da manhã, quando Neymar e o restante do elenco não estavam na Granja – o grupo recebera folga ao meio-dia de sábado O atacante desembarcou em seu helicóptero cerca de meia hora depois da saída da polícia.

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, o caso está sendo investigado pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI). A especializada “irá apurar suposta divulgação de vídeo por parte do jogador Neymar. A 110°DP (Teresópolis) já realizou diligências que vão auxiliar nessa investigação”. Divulgar imagens íntimas na internet sem consentimento das partes envolvidas é crime, e a pena prevista é de até cinco anos de prisão.

Fonte: Correio

CRUSH