UE diz que intervenção militar na Venezuela deve ser evitada

A União Europeia (UE) reiterou nesta segunda-feira, 25, seu chamado para que se evite uma intervenção militar na Venezuela e seu compromisso com uma saída “pacífica, política e democrática” para a crise, afirmou a porta-voz da diplomacia europeia.

Fronteira da Venezuela (Foto: Edmar Barros)

“Devemos evitar uma intervenção militar”, disse Maja Kocijancic. “Precisamos de uma solução pacífica, política e democrática para a crise, que exclua a violência”, acrescentou a porta-voz de Federica Mogherini, chefe da diplomacia europeia. “O que a UE quer é a realização de eleições presidenciais livres, transparentes e confiáveis, de acordo com a Constituição venezuelana”.

Sobre a missão técnica do grupo de contato que visitou Caracas na semana passada, Maja afirmou que foi possível “falar com todos os atores políticos relevantes”, incluindo representantes de vários espectros políticos e também da sociedade civil e de agências da ONU.

O líder da oposição Juan Guaidó, reconhecido como presidente por mais de 50 países, e o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, se encontram nesta segunda-feira com o Grupo de Lima para definir suas ações para forçar a saída de Nicolás Maduro do poder, o que poderia incluir o uso da força.

Fonte: A Tarde

Jorge