Destaque local, Léo Ferreira promete lançar quarto álbum com grandes sucessos

Trinta e seis anos, muito talento e um futuro promissor. Estamos falando de Léo Ferreira, nome artístico de Elenilton, pai de três filhos, ex-montador de andaime, na área industrial.

 


Há mais de 15 anos na música, Léo Ferreira leva a original sofrência com muita alegria e disposição. Por onde passa, faz a galera cantar e dançar num show eclético, composto por músicas autorais e sucessos nacionais.

Impulsionado por um amigo, Léo Ferreira, que já esteve no vocal de várias bandas, resolveu investir numa carreira solo e, desde então, coleciona três volumes. O quarto será lançado ainda esse ano. Confira entrevista com o artista que estourou com a música “Lembranças no celular”.

 

Nossa Metrópole- Quando começou a se interessa pela música?
Léo Ferreira – A música sempre esteve no meu coração, desde a infância. Eu casei muito jovem, aos 17 anos, por isso tive que ir trabalhar, enfrentar as responsabilidades de um pai de família e cantava apenas por hobby.

Tive três filhos e as responsabilidades só foram crescendo até que consegui cantar em algumas bandas, cair na estrada, mas viver de música é muito difícil, então tive que voltar a trabalhar como montador de andaime.
NM – E o Léo Ferreira como surgiu?

LF – Eu já tinha esse nome artístico, mas estava fora da música. No trabalho, durante os horários de descanso cantava para a galera e fazia muito sucesso. Os colegas curtiam muito e passaram a me incentivar. Novamente criei coragem e resolvi lutar pelo meu sonho.

NM – Você é muito conhecido em Camaçari e região com a música “Lembrança no Celular”, o que sente quando vê o público enlouquecido com o sucesso?

LF – Pareço menino quando ganha um brinquedo novo. É uma alegria sem tamanho. Uma sensação de dever cumprido. Para um artista, acredito que não tem felicidade maior que presenciar a alegria do seu público.
NM – Ao longo de sua carreira já foram lançados três volumes, vem um quarto por aí?

LF – Com certeza. Estaremos lançando ainda esse ano um quarto volume recheados de músicas que prometem ser sucesso. Acredito muito nisso e tenho certeza que logo logo estaremos falando sobre esse estouro.

NM – Você é um cantor nato do arrocha e leva para a galera a sofrência que o público tanto se identifica. Inspira-se em algum artista?

LF – O nosso estilo sofreu muito preconceito e, a verdade é que até hoje sofre, mas tivemos grandes nomes que desmistificaram isso. Tenho respeito e admiração por vários artistas, mas aquele som que eu busco me inspirar mesmo é o som de Tayrone.

NM – Você falou sobre alguns obstáculos e os motivos que já te fez desistir algumas vezes e agora está totalmente focado na carreira?

LF – Sim. Estamos construindo um trabalho sólido, buscando profissionalizar a nossa equipe cada vez mais. Nos preocupamos em cada detalhe. Em fazer um trabalho diferenciado que toque o coração das pessoas. Tenho muita fé em Deus. Acredito que se for da vontade dele chegaremos lá. Que seja da vontade dele e não na minha.

NM – Quando se refere a chegar lá, seria chegar exatamente onde?

LF – No Faustão (risos), mas no Rodrigo Faro eu também já fico muito feliz. Como todo artista, trabalho em busca de uma projeção nacional, em busca de deixar um legado.

Música: “Fala para mim”
Paixão: Filho
Cultura: Música
Camaçari: Minha terra
Família: Base de tudo
Fé: Deus
Sonho: Ter minha música reconhecida nacionalmente.

Por Fabiana Monte

CRUSH